Agentes públicos debatem sobre os desafios da mobilidade urbana em São Paulo

Vereador Caio Miranda Carneiro e o secretário Sérgio Avelleda ministraram palestra sobre os Desafios da Mobilidade no século XXI, na Uninove de Santo Amaro, ontem à noite

 

Por Alexandre de Paulo

Texto e fotos

 

O secretário municipal de Mobilidade e Transportes de São Paulo, Sérgio Avelleda, e o vereador Caio Miranda Carneiro (PSB) ministraram palestra sobre os Desafios da Mobilidade no século XXI, no campus Santo Amaro da Uninove, na noite desta segunda-feira, 6. Cerca de 300 alunos do curso de direito e centenas do curso de pós-graduação políticas públicas e controle externo, na modalidade de ensino a distância, também participaram. Sérgio Henrique Ferreira, coordenador do curso de direito da instituição, recepcionou os palestrantes.

Caio Miranda Carneiro e Sérgio Avelleda durante palestra na noite de ontem

Segurança no trânsito, conscientização de motoristas e emissão de multas, reeducação de condutores, novos modais de transporte, como bicicletas, energia limpa e poluição sonora no transporte público foram alguns dos temas abordados.

“Agradeço imensamente a presença do Caio e do Avelleda, que atenderam ao nosso convite. Ressalto que o debate de políticas públicas é feito na ágora, no espaço público. Vivemos tempos difíceis, muito extremados, mas temos que seguir discutindo política – com base em dados, em ideias, e não no radicalismo, no ódio – retomando o caminho do diálogo e da racionalidade”, disse Almir Teubl Sanches, procurador da República, professor e coordenador do curso de pós-graduação da Uninove.

Cerca de 300 alunos assistiram à palestra no auditório na Uninove, em Santo Amaro

Avelleda abriu o debate exibindo um vídeo cujo tema reflete um grave problema contemporâneo: acidentes provocados pelo uso do celular ao volante. “Usar o celular distrai e é a principal causa de morte no trânsito hoje”, ressaltou. Ele externou surpresa e contentamento sobre a quantidade de alunos presentes no auditório. “O Caio, um jovem como vocês, é de uma nova geração de políticos, forjado nos valores da ética e da competência. Com apenas 10 meses de mandato ele já dá aula de como ser um bom vereador”, elogiou.

Especificamente sobre o tema da palestra, Avelleda trouxe dados atualizados sobre o trânsito da cidade. “A frase do Caio, de que quando falamos de São Paulo estamos falando de números continentais, é muito precisa e correta. Temos em São Paulo 5,9 milhões de automóveis, um para cada dois habitantes. Esse é o índice de motorização da cidade. Há atualmente 8,4 milhões de veículos (moto, carro, caminhão e ônibus) circulando diariamente na cidade, em 17 mil quilômetros de ruas e avenidas. De toda a frota do Estado de SP 30% está registrada em São Paulo. Só de motos temos 1,2 milhão licenciadas na Capital. Para se ter uma ideia, na região mais populosa da cidade, a Zona Leste, entre trem, metrô e ônibus transportamos um Uruguai (3,4 milhões de pessoas) por dia”, disse Avelleda.

“Um dos grandes problemas é a associação de álcool e direção”, alerta o vereador Caio

Caio enfatizou a importância da educação e os hábitos culturais que estão intimamente ligados aos acidentes de trânsito. “Se vocês atentarem ao número de pessoas que morrem nos acidentes de trânsito verão que muitos associaram álcool e direção. Há um falso conceito de que beber e dirigir parece bobagem, que nada acontece, que é sossegado, que o motorista está no controle etc, mas a verdade é que o índice de acidentes aumenta muito quando bebida alcoólica e direção estão associadas. A bebida dá sono, relaxa, reduz os seus reflexos. E, às vezes, mesmo quando outro condutor comete um erro, se você está alcoolizado seu reflexo para reagir fica muito limitado. O trânsito reflete muito da educação, da cultura, e do respeito que as pessoas tem entre si na sociedade”, disse.

A relação de poder e agressividade do motorista vinculada ao volante são notórias no trânsito. “Vocês, que estão estudando para melhorar as suas vidas, de suas famílias e da sociedade, observem o quão importante é a questão da mobilidade. É no transporte que a gente manifesta os valores (educacionais e culturais) que temos. E a gente tem muito que avançar em São Paulo nesse sentido”, concluiu Caio.