Foco total da imprensa no ‘salário-esposa’ mostra absurdo de pacotes como o do TCM, aponta Caio

Benefícios do Tribunal de Contas do Município aprovados semana passada com voto contrário do vereador geraram em menos de 48 horas três matérias da TV Globo, mais Estadão, G1 e Veja

 

Por Fábio Busian
Foto: Alexandre de Paulo

 

O foco total da imprensa no “salário-esposa” aprovado pela Câmara Municipal de São Paulo para os servidores do Tribunal de Contas do Município de SP (TCM-SP), em pacote concedido aos servidores homens que são casados ou vivem com mulheres que não trabalham, mostra o grau de envolvimento na política municipal por parte de uma sociedade já indignada, na visão do vereador Caio Miranda Carneiro (PSB-SP).

Caio, que votou contra a extensão dos benefícios originalmente aprovados para os servidores da Câmara, foi procurado sucessivamente pela imprensa. Em menos de 48 horas, jornais, rádios e emissoras de TV –entre eles, a Rede Globo três vezes, no SP1 e SP2 e Bom Dia SP, mais VejaSP, G1 e Estadão, para ficar nos maiores veículos – repercutiram a decisão que gerou a indignação, com o posicionamento de Caio.

Vereador Caio Miranda Carneiro é entrevistado na Câmara Municipal de São Paulo pelo repórter Filippo Mancuso, da Rede Globo

 

“A mídia neste caso traduziu o sentimento da população, já indignada com tudo o que vem vendo. A grande exposição deste caso mostra que estamos todos muito atentos e com um papel fiscalizador cada vez maior como sociedade”, avalia o vereador.

O pacote

Além do auxílio, servidores do TCM receberão R$ 573 referentes a custos de alimentação. O funcionário que utilizar plano de saúde privado também terá direito a reembolso de até R$ 1.079. O pacote foi aprovado na Câmara de São Paulo por 31 votos a favor e seis contra.

Na Câmara, dos cerca de 2 mil funcionários, 18 recebem o salário-esposa. Na Prefeitura, o número chega a 12 mil, impactando o orçamento em R$ 650 mil no ano passado. “Temos que dar exemplo para a população –esse tipo de benesse está fora da realidade da população e não terá meu apoio”, completou o parlamentar.

Sanção do prefeito

A lei aprovada na Câmara segue para apreciação do prefeito Bruno Covas (PSDB). Caso sancionada, servidores do TCM terão aumento de 2,84% no salário.

“Nem sancionar, nem vetar, nós vamos devolver assim que a gente receber o projeto da Câmara Municipal, porque se trata de outro poder, um outro orçamento”, disse. “A gente não vai entrar em uma decisão interna da Câmara”, afirmou.

Leia abaixo íntegra das reportagens sobre o assunto na imprensa:

Câmara aprova reajuste do ‘salário-esposa’ dos servidores do Tribunal de Contas do Município de SP

Funcionários públicos homens recebem salário-esposa na Câmara

Câmara de SP aumenta benefícios para funcionários do Tribunal de Contas